Esse é um espaço dedicado a publicação de crônicas sobre esporte, comunicação, política e cultura, focado principalmente na memória. Oportunidade que vejo de compartilhar meus arquivos e acervos com outros pesquisadores, estudantes e interessados.

Além das atividades docentes na UFJF em suas diversas interfaces.

Você ainda pode adquirir um de meus livros pelo e-mail marcio.guerra@ufjf.edu.br

Diretor ameaça dar surra

Fernando David, RIO

Jornal Lance! – 18/04/2007

A diretoria do Vilhena Esporte Clube (VEC), de Rondônia, criou nova polêmica. Como o LANCE! Publicou em março, o clube foi obrigado pela Câmara de Vereadores da cidade a explicar como utilizara R$ 240 mil cedidos pela prefeitura e… até creme vaginal estava na conta! Irritado com a repercussão do caso, José Natal, supervisor do VEC e secretário municipal de Esportes, ameaçou, ontem, surrar o jornalista Mário Quevedo.

Os problemas começaram quando o repórter veiculou acusações do vereador Mauro Bill (PT-RO) sobre o suposto desvio de parte dos R$ 240 mil cedidos pela prefeitura ao Vilhena. Primeiro, faixas foram expostas no estádio do clube – que pertence à prefeitura – insultando Quevedo. Ontem, o secretário foi além.

– Fiz meu terceiro registro na polícia contra o Natal. As faixas estavam em lugar reservado à publicidade. Ou seja, a responsabilidade era da administração do estádio – justificou o jornalista.

Quevedo acrescentou que estava evitando ir ao estádio, temendo agressões de torcedores. Durante a discussão por telefone com Natal, contudo, o jornalista foi ameaçado com uma “agressão oficial”.

– As faixas foram postas pela torcida. Por isso, disse que ia dar um cacete nele, pois sou homem e não tenho sangue de barata. Não aguento mais ver minha imagem denegrida – desabafou José Natal.

Politicagem. O dirigente ainda acusou Mário Quevedo de estar a serviço da oposição municipal, cuja bancada na Câmara de Vereadores é liderada por Mauro Bill.

O vereador petista tentou abrir CPI para investigar as contas do VEC, mas não teve apoio suficiente. Foi o bastante para também ser “homenageado” com uma faixa chamando-o de inimigo do esporte.

– Mesmo assim, o enquanto eles não explicarem o destino de mais de R$ 210 mil, vou continuar minha luta. Não posso provar, mas tenho certeza de que foram usados nas eleições de 2006 – disse Bill.